“Em nosso cotidiano, inspiramos e expiramos sem prestar muita atenção à importância da respiração. Assumimos que existe somente uma respiração visível - a física. Mas Meishu-Sama nos ensina que o ser humano respira nos três reinos: divino, místico e material. Meishu-Sama também nos ensina que vivemos sob a lei da procedência do espirito sobre a matéria.”

Yoichi Okada
 

Prática do KI

A palavra KI – QI ou Chi – tem origem chinesa e pode ser entendida de várias maneiras.

A mais comum é energia. Mas também pode ser entendida como respiração e, de acordo com a filosofia de Mokiti Okada (1882-1955), pode significar consciência. Em termos práticos, podemos dizer que respiramos em três mundos: no mundo físico, no mundo espiritual e no mundo Divino.


A partir desta filosofia, conceituamos a Pratica do KI como uma técnica de respiração multidimensional consciente, realizada nestas três esferas de nossa existência.

Na esfera de nossa existência física, do ponto de vista fisiológico, inspiramos o oxigênio e expiramos o dióxido de carbono, efetuando essa troca com o meio ambiente. Do ponto de vista bioquímico, realizamos a respiração celular como um processo de conversão de ligações químicas de moléculas ricas em energia que poderão ser usadas em processos vitais.

Na esfera de nossa existência espiritual, ao inspirar, absorvermos o elemento Fogo e o elemento Água contidos na atmosfera. O elemento Fogo é captado pelo coração e o elemento Água, pelo pulmão. Estas duas energias espirituais, uma vez que circulam pelo corpo humano, fundem-se com o elemento Terra existente no corpo humano, que é oriundo da energia dos alimentos. A fusão da energia espiritual destes três elementos gera uma grande força de purificação dos corpos físico e espiritual. Neste sentido, podemos entender que a expiração ocorre através de um processo de eliminação de impurezas do corpo espiritual e do corpo físico, que denominamos: processo natural de purificação.

Na esfera da existência divina, ocorre um intercâmbio constante entre a autoconsciência humana e a consciência divina ou cósmica. Quando inspiramos, absorvemos esta consciência cósmica, divina, crística ou originária e quando expiramos devolvemos a Deus, ao Criador, a nossa autoconsciência humana, adquirida ao longo de nossas existências ou herdadas de nossos antepassados. Entendemos que este processo de respiração consciente é o processo mais elevado da Prática do KI, pois através dele podemos alcançar o estado de Consciência Crística ou de Messias, desencadeando um processo natural de perdão e salvação de nosso passado e de nossos antepassados. Também propicia nosso renascimento em vida como verdadeiros filhos de Deus, criando, assim, um futuro completamente novo para nós e todos aqueles que estão ligados a nós.

Embora tenhamos feito uma divisão de cada uma das esferas, entendemos que a Prática do KI ocorre de maneira conjunta e simultânea nas três esferas: física, espiritual e divina.

 

A Prática do KI é uma prática que visa a religação da nossa autoconsciência com a consciência original, ou religação com Deus através do nome Messias.

Acreditamos que somente a partir do retorno à nossa consciência original, do retorno ao Paraíso que existe no centro de nossas autoconsciências é que conseguiremos concretizar a saúde, a prosperidade e a paz em nossas vidas.